17 de Dezembro de 2010

Dia 10 de Dezembro! Muito terá acontecido nesta data um pouco por todo o mundo…nascimentos, óbitos, amores, ódios…todos os adjectivos e verbos que qualificas a humanidade foram utilizados nesse dia como de resto sempre o são…No entanto, num país à beira mar plantado de seu nome Portugal, milhares de pessoas viveram todos os instantes desse mesmo dia com uma intensidade muito peculiar.

A noite precedente não foi o habitual período de sossego e de acalmia, longe disso, foi o inicio de uma etapa há muito aguardada, visível aquando da progressiva chegada de fãs aos locais onde mais tarde se formariam as imensas filas que permitiriam o tão desejado lugar perto do palco onde actuaria a lenda pela qual todos aguardavam. Por entre risos e expectativas que soavam a um nervosismo mal disfarçado, os fãs confraternizavam sem timidez, qual irmãos, divididos pelo sangue e pela distância mas tão unidos pela mesma paixão. Quem quer que numa das filas olhasse em seu redor surpreender-se-ia com o imenso mosaico de pessoas que ali se encontrava, não permitindo engavetar (de modo algum) os seguidores de Gaga numa categoria apenas. Jovens, idosos, crianças, bem como toda uma legião de diferentes estilos urbanos que marcavam as vestimentas bem como as atitudes interagiam como se fossem um só, esquecendo quezílias, particularidades e “diferenças”, palavra tão cara num concerto com a ideologia a este subjacente.
Com o passar das horas e com o visível temor causado pela proximidade da abertura das portas, a multidão acabou por cruzar as portas, de modo mais ou menos ordeiro, mas com uma euforia indescritível para os que ali se não encontravam naqueles instantes. Ziguezagueando os imensos seguranças e correndo desenfreadamente todos conseguimos o nosso lugar, de modo mais ou menos satisfatório, elevando as nossas expectativas ao auge e fixando o nosso olhar nervosamente no palco, o lugar onde todos os sonhos convergiam…
Volvidos minutos (demasiado longos para os mais expectantes) Lady Starlight, inegável marco na formação de Lady Gaga enquanto artista subiu ao palco, energeticamente, descontraidamente, genialmente, enfim, igual a si mesma! A sua breve actuação poderá ser encarada como uma cerimónia iniciática do conceito de música, pois qualquer pessoa que jamais tivesse tido contacto com o mundo da música ocidental poderia facilmente, através da sua actuação enquanto DJ, ficar com uma perfeita noção do panorama musical do último século. Nomes como Guns n´Roses, Queen, Rage Against The Machine e algumas melodias clássicas corresponderam os seus temas às diversas décadas passadas, que marcaram gerações que as imortalizaram. Após esta perfeitíssima introdução à música por parte de Starlight, o grupo Semi Precious Weapons tomou o palco de rompante, com uma performance absolutamente contagiante, levando o Pavilhão Atlântico ao rubro e seduzindo milhares de novos fãs com o seu ritmo. Perto do fim da sua actuação, a frase “We are stars, but she (Gaga) is a fu***ng superstar!” relembrou a todos nós qual choque o motivo da nossa presença naquele local, causando um frenesim sem precedentes: dentro de escassos minutos, a pessoa que idolatrávamos estaria presente no mesmo espaço, a poucos metros, cantando e interagindo com todos nós. Parecia um sonho, uma ilusão, o culminar de todas as ânsias e expectativas, o momento das nossas vidas…
O palco é coberto por um manto negro de proporção considerável, a agitação e gritaria histéricas dão lugar a uma renovada calma, um sentimento indescritível de choque que nos atingiu a todos no momento em que o interlude se iniciou na enorme tela, com a sua imagem em queda espiral seguida por uma contagem decrescente bem ao estilo dos tempos de glamour de Hollywood! O simbólico número “1” enche o ecrã e a tela sobre gradualmente, deixando a descoberto no canto a figura de Lady Gaga…A multidão é confrontada com um turbilhão de sentimentos e recordo olhar em meu redor e ver pessoas em absoluta histeria, outras paralisadas, e outras ainda com uma torrente de lágrimas a escorrer pela face enquanto sorriam em plena sintonia com o conceito de felicidade…As opiniões são unânimes e a presença de Gaga no palco acalmou e reconfortou a nossa existência, transmitindo um sentimento de paz de espírito bem como de boa energia sem precedentes, fazendo-nos esquecer subitamente todos os nossos medos e angústias, apagando o nosso passado e as nossas ânsias de futuro da nossa mente; apenas existia naquele momento eterno ela e cada um de nós, em perfeita sintonia. A sua figura era quase excessivamente distinta da que se criou em muitas mentes, tendo um impacto absolutamente positivo mesmo nos anteriormente mais descrentes relativamente à sua pessoa, revelando um porte absolutamente distinto com uma elegância e beleza que não têm qualquer justiça nas diversas imagens que nos foram confrontando ao longo da sua carreira. Com um olhar hipnótico de um verde exótico (olhar esse que é para muitos de nós o seu traço mais marcante!) fixou a audiência com o seu porte carismático, de modo extremamente simpático e descontraído, colocando de parte quaisquer tiques de vedetismo que lhe quisessem acusar. O espectáculo melhorou a cada minuto, minutos esses nos quais ela envolveu Portugal com uma ternura a que este, através do reflexo de todos os seus fãs carinhosamente correspondeu. Durante as suas actuações, por entre o choro e o êxtase de milhares de fãs relembrou a sua causa pelos direitos gay, bem como o facto de sermos especiais, cada um de seu modo, cada um com a sua complexidade, afirmando que não nos devemos abalar com as más circunstâncias da vida, bem como pelas cruéis opiniões dos demais que tantas vezes insistem em desvalorizar o valor de cada pessoa, bem como as suas crenças ou escolhas. O seu exemplo é disso exemplo máximo, tal como a própria relembrou, reafirmando que era marginalizada e odiada simplesmente por ter uma personalidade incompatível com a dos jovens conformistas que “prostituem” o seu verdadeiro eu em troca da aceitação por parte dos grupos populares bem como da sociedade em geral. Lady Gaga disse não e conseguiu atingir o patamar máximo da arte bem como da celebridade, sendo apenas uma jovem, com uma responsabilidade assustadora sobre si e sobre o ainda escasso tempo de vida!
Ao cabo de cerca de 2 horas o concerto estava terminado e para trás ficou toda a sua capacidade de “esvaziar” angústias e maus pensamentos. Após este concerto todos os seguidores sentiram mais que nunca um orgulho inabalável em acompanhar cada momento daquela que é sem margem para dúvidas a maior artista do novo século; aquela que é capaz de elevar o conceito de arte muito para além da mera música, sendo simultaneamente a pessoa que parece inalcançável e que, paradoxalmente, é também a nossa terapeuta e fiel conselheira, incentivando o que de melhor há em cada um de nós. Por isso é tão única e preciosa, capaz de captar o que mais importante há na mente humana, e utilizando isso para ajudar e ser ajudada, alimentando os nossos sonhos como nós alimentamos os dela.

Lady Gaga é, assim, a pessoa que nos dá capacidade e confiança e que nos faz sonhar mais e mais além das “convenções”( palavra inexistente para qualquer Little Monster), dando-nos alento para enfrentarmos um futuro sempre à espreita de modo sombrio… Creio que todos nós poderemos afirmar que a The Monster Ball Tour mudou as nossas vidas de modo muito peculiar e que todos os momentos vividos nesse mítico dia serão recordados um dia, daqui a largas décadas, quando tivermos já uma respeitável idade e tivermos assistido a todas as incontáveis glórias de Gaga que estão ainda para vir…Nessa mesma altura, daqui a largas décadas, Lady Gaga será já o ícone supremo do século XXI; “aquela” que deu nova face à expressão artística!

Peço desde já perdão pela extensa crónica mas esta deve, ainda assim, ser considerada curta tendo em conta a dificuldade em resumir em (escassas) palavras um acontecimento de tal magnitude e impacto…

Poison TV

publicado por LadyGaga-Portugal às 22:53
Uffa, acabei de ler xD Gostei, mas não foi das melhores que já escreveste :/ O vocabulário está bom, mas falta-te ritmo, inteligência e lógica na escrita que nos devia prender. Mas gostei.
Migueel a 17 de Dezembro de 2010 às 23:14
Adorei a crónica,apesar de extensa está muito bem escrita e descreve bem o dia maravilhoso que passámos juntos :) Parabéns Poison :) *
Ayniax a 17 de Dezembro de 2010 às 23:15
OMG!!!

A.M.E.I

acho que está lindo escreves super bem...

obrigado por partilhares esse talento comigo e com todos os outros Little Monsters e obrigado também por relembrares um dos melhores dias (se não o melhor) da minha (e de muitos outros) vida...

adorei mesmo...

parabéns Poison...

P.S: desculpa este comentário de m*rda mas não tenho muito jeito...

beijos mana monster
Valex'S a 17 de Dezembro de 2010 às 23:42
está excelente <3

dia 10 foi mítico e nunca será esquecido

parabéns pela tua capacidade de absorveres o leitor, é simplesmente genial :)
Francisco a 18 de Dezembro de 2010 às 10:19
mais uma bela cronica... parabéns poison ty!!!
nao digo muito porque estas palavra "fantástica" diz tudo, continua no bom caminho
ladydi a 18 de Dezembro de 2010 às 10:53
Parabéns por esta crónica, que além de estar muito bem escrito,também retrata o nosso estado de espírito do dia 10 de Dezembro.

O concerto foi mágico, um verdadeiro sonho realizado que conseguiu mudar-nos e tornar-nos mais fortes e únicos. Gaga tem esse poder e conseguiu tornar-nos ainda mais apaixonados por ela.

Cada vez mais percebo o significado de "Born This Way" e tenho cada vez mais orgulho em poder ser um "pequeno monstrinho".

MOTHER MONSTER <3
little_monster a 18 de Dezembro de 2010 às 11:52
Parabéns Poison TV! Esta crónica está extensa mas perfeita
Dia 10/12/2010 nunca será esquecido ♥
DanielaB. a 7 de Janeiro de 2011 às 17:37

Image and video hosting by TinyPic
pesquisar neste blog