07 de Janeiro de 2011

Antes de se tornar fenómeno mundial, antes das roupas extravagantes, das apresentações polémicas, Lady Gaga era uma rapariga normal, que estudava num colégio católico. Nascida Stefani Joanne Angelina Germanotta,  foi  criada num dos bairros mais ricos de Nova York, juntamente com Paris Hilton. Começou a estudar piano clássico aos 4 anos e durante o seu percurso escolar compunha músicas e cantava no coro da escola. O desejo de se libertar da rígida criação católica leva a cantora a soltar a sua voz no palco dos pubs locais e, apenas alguns anos depois,  ela pode dizer adeus Stefani e olá Lady Gaga.

Na verdade, toda esta vida não é, de todo, um conto de fadas. Não sei se lhe podemos chamar “inveja”, “dor de cotovelo” ou até mesmo uma espécie de subir na vida, mas, as ditas sanguessugas não param de encher páginas e mais páginas nas revistas ditas “cor-de-rosa”. E é mesmo ai, numa revista dessas que podemos encontrar numa simples sala de espera de um consultório, que me vou concentrar, ou melhor, reflectir e talvez, interrogar sobre o verdadeiro sentido de um cronista.

Intitulada de “Diva ou clone da Pop”, a reportagem de três páginas que não passa de um mero julgamento contra Lady Gaga, pretende dar a conhecer que a nossa musa nem sempre é vista como uma figura original e extremamente excêntrica. Segundo a autora, Lady Gaga é considerada como uma imitação fabricada e assexual que seduziu a geração da Internet, que cita tanto Madonna que se impõe a pergunta: qual a fronteira entre homenagem e roubo? As acusações não ficam por aqui e partem para um lado mais pessoal, onde se diz que “a Gaga da fama” mundial, com as suas pesadas perucas e com óculos de sol gigantescos, torna-se numa boneca afectada e medonha, numa marioneta desengonçada ou mesmo num andróide plastificado, sem um pingo de espontaneidade.

Esta voz que se teima em proclamar num mundo da crítica social, atinge, de forma destorcida, todos aqueles que acreditam nas palavras de Lady Gaga, dizendo que a geração Gaga não nota como ela (Lady Gaga) é desengonçada porque abandonou a linguagem corporal nas suas interacções diárias.

Já farto de ler tantas acusações feitas por quem escreve para viver, a verdade é que Lady Gaga, presente na crescente anarquia da Internet, é a grande responsável pelo afastamento e destruição da linha divisória entre a realidade e a ficção.

José Pedro Caetano

publicado por LadyGaga-Portugal às 20:00
BELA CRONICA, AS VEZES AS PESSOAS QUE ESCREVEM ISSO SÃO IPOCRITAS, E NÃO PERCEBEM QUE NÃO ESTÃO ATINGINDO SOMENTE GAGA MAS TODOS QUE ACREDITAM NELA, E PODE PERCEBER QUE SE VC ESTA FORA DA MIDIA É SO FALAR DE GAGA QUE ISSO TOMA PROPORÇÃO MUNDIAL, AS VEZES SI ESQUESSEM QUE ELA SO TEM 24 ANOS, E INVEJA É DEPLORAVEL.
Cibeli S.P.L a 7 de Janeiro de 2011 às 20:25
BELA CRONICA, AS PESSOAS ISQUECEM QUE GAGA TEM FAS SE FALAR MAL DELA ATINGE NOS, BEM OQUE EU QUERO DIZER É QUE GAGA É ASSIM. ASSIM ELA AJUDA MUITAS PESSOAS QUE ERAM CHAMADAS DE DESAJUSTADOS, E É PURISSO QUE A MIDIA BARATA FALA DELA TALVEZ SO NOS FAS ENTENDEMOS A GAGA
Cibeli S.P.L a 7 de Janeiro de 2011 às 20:54
A tua melhor crónica até hoje sem dúvida (: parabéns!
Migueel a 7 de Janeiro de 2011 às 22:16
Muito bem dito Pedro.
Continua a escrever!

Essas pessoas que só falam mal da Lady GaGa só podem ter inveja. Enfim...tenho pena dessas pessoas que têm que falar mal dos outros para puderem subir na vida.


DanielaB. a 7 de Janeiro de 2011 às 22:59
omg, isto é tudo gente com inveja . enfim . nós acreditamos na NOSSA GAGA e isso nunca há-de mudar . ela é e será sempre a NOSSA DIVA DA POP . AMO-TE LADY GAGA (L)
anicas a 9 de Janeiro de 2011 às 03:33

Image and video hosting by TinyPic
pesquisar neste blog